domingo, 31 de Julho de 2011

XXVII DOMINGO TEMPO COMUM

* DOMINGO


 «Por isso vos digo: Ser-vos-á tirado o reino de Deus e dado a um povo que produza os seus frutos»


LEITURA I – Is 5,1-7

Vou cantar, em nome do meu amigo, um cântico de amor à sua vinha. O meu amigo possuía uma vinha numa fértil colina. Lavrou-a e limpou-a das pedras, plantou-a de cepas escolhidas. No meio dela ergueu uma torre e escavou um lagar. Esperava que viesse a dar uvas, Mas ela só produziu agraços. E agora, habitantes de Jerusalém, e vós, homens de Judá, sede juízes entre mim e a minha vinha: Que mais podia fazer à minha vinha que não tivesse feito? Quando eu esperava que viesse a dar uvas, porque é que apenas produziu agraços? Agora vos direi o que vou fazer à minha vinha: vou tirar-lhe a vedação e será devastada; vou demolir-lhe o muro e será espezinhada. Farei dela um terreno deserto: não voltará a ser podada nem cavada, e nela crescerão silvas e espinheiros; e hei-de mandar às nuvens que sobre ela não deixem cair chuva. A vinha do Senhor do Universo é a casa de Israel, e os homens de Judá são a plantação escolhida. Ele esperava rectidão e só há sangue derramado; esperava justiça e só há gritos de horror.

LEITURA II – Filip 4,6-9

Irmãos: Não vos inquieteis com coisa alguma. Mas, em todas as circunstâncias, apresentai os vossos pedidos diante de Deus, com orações, súplicas e acções de graças. E a paz de Deus, que está acima de toda a inteligência, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. Quanto ao resto, irmãos, tudo o que é verdadeiro e nobre, tudo o que é justo e puro, tudo o que é amável e de boa reputação, tudo o que é virtude e digno de louvor é o que deveis ter no pensamento. O que aprendestes, recebestes, ouvistes e vistes em mim é o que deveis praticar. E o Deus da paz estará convosco.

EVANGELHO – Mt 21,33-43

Naquele tempo, disse Jesus aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos do povo: «Ouvi outra parábola: Havia um proprietário que plantou uma vinha, cercou-a com uma sebe, cavou nela um lagar e levantou uma torre; depois, arrendou-a a uns vinhateiros e partiu para longe. Quando chegou a época das colheitas, mandou os seus servos aos vinhateiros para receber os frutos. Os vinhateiros, porém, lançando mão dos servos, espancaram um, mataram outro, e a outro apedrejaram-no. Tornou ele a mandar outros servos, em maior número que os primeiros. E eles trataram-nos do mesmo modo. Por fim, mandou-lhes o seu próprio filho, dizendo: ‘Respeitarão o meu filho’. Mas os vinhateiros, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro; matemo-lo e ficaremos com a sua herança’. E, agarrando-o, lançaram-no fora da vinha e mataram-no. Quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros?». Eles responderam: «Mandará matar sem piedade esses malvados e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entreguem os frutos a seu tempo». Disse-lhes Jesus: «Nunca lestes na Escritura: ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; tudo isto veio do Senhor e é admirável aos nossos olhos’? Por isso vos digo: Ser-vos-á tirado o reino de Deus e dado a um povo que produza os seus frutos».

REFLEXÃO

A parábola contada por Jesus coloca-nos no mesmo ponto de partida da parábola da “vinha” de Is 5,1-7: um “senhor” plantou uma “vinha”, cercou-a com uma sebe, cavou nela um lagar e levantou uma torre.
A partir daqui, no entanto, a parábola de Jesus afasta-se um pouco da parábola de Isaías… Na versão de Jesus, o proprietário não explorou directamente a “vinha”, mas confiou-a a uns “vinhateiros” que deviam dar-lhe, cada ano, uma determinada percentagem dos frutos produzidos. No entanto, quando os “servos” do “senhor” apareceram para recolher a parte que pertencia ao seu amo, foram maltratados e assassinados pelos “vinhateiros”; e o próprio filho do dono da “vinha”, enviado pelo pai para chamar os “vinhateiros” à responsabilidade e ao respeito pelos compromissos, foi assassinado.
A “vinha” de que Jesus aqui fala é Israel – o Povo de Deus. O dono da “vinha” é Deus. Os “vinhateiros” são os líderes religiosos judaicos – os encarregados de trabalhar a “vinha” e de fazer com que ela produzisse frutos. Os “servos” enviados pelo “senhor” são, evidentemente, os profetas que os líderes da nação, tantas vezes, perseguiram, apedrejaram e mataram. O “filho” morto “fora da vinha” é Jesus, assassinado fora dos muros de Jerusalém.
É um quadro de uma gravidade extrema. Os “vinhateiros” não só não entregaram ao “senhor” os frutos que lhe deviam, mas fecharam todos os caminhos de diálogo e recusaram todas as possibilidades de encontro e de entendimento com o “senhor”: maltrataram e apedrejaram os servos enviados pelo “senhor” e assassinaram-lhe o filho.
Diante deste quadro, Jesus interpela directamente os seus ouvintes: “quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros?”
A comunidade cristã primitiva encontrou facilmente resposta para esta questão. Na perspectiva dos primeiros catequistas cristãos, a resposta de Deus à recusa de Israel foi dada em dois movimentos. Em primeiro lugar, Deus ressuscitou o “filho” que os “vinhateiros” mataram, glorificou-o e constituiu-o “pedra angular” de uma nova construção; em segundo lugar, Deus decidiu retirar a “vinha” das mãos desses “vinhateiros” maus e ingratos e confiá-la a outros “vinhateiros” – a um povo que fizesse a “vinha” produzir bons frutos e que entregasse ao “senhor” os frutos a que ele tem direito.
Entretanto, a Mateus não interessa tanto a questão do filho – ressuscitado, exaltado e colocado como pedra angular da nova construção – quanto a questão da entrega da “vinha” a um outro povo. Ao sublinhar este aspecto, Mateus tem em vista uma dupla finalidade…
Em primeiro lugar, ele explica dessa forma porque é que, na maioria das comunidades cristãs, os judeus – os primeiros trabalhadores da “vinha” de Deus – eram uma minoria: eles recusaram-se a oferecer frutos bons ao “senhor” da “vinha” e recusaram sempre as tentativas do “senhor” no sentido de uma aproximação e de um compromisso. Logicamente, o “senhor” escolheu outros “vinhateiros”. O que é decisivo, para a escolha de Deus, não é que os novos trabalhadores da “vinha” sejam judeus ou não judeus; o que é decisivo é que eles estejam dispostos a oferecer ao “senhor” os frutos que lhe são devidos e a acolher o “filho” que o “senhor” enviou ao seu encontro.
Em segundo lugar, Mateus exorta a sua comunidade a produzir frutos verdadeiros que agradem ao “senhor” da “vinha”. Estamos no final do séc. I (década de 80); passou já o entusiasmo inicial e os crentes da comunidade de Mateus instalaram-se num cristianismo fácil, sem exigência, descomprometido, instalado. O catequista Mateus aproveita a oportunidade para exortar os irmãos da comunidade a que despertem, a que saiam do comodismo, a que se empenhem, a que dêem frutos próprios do Reino, a que vivam com radicalidade as propostas de Jesus.


* 2ª FEIRA - Anos Ímpares

Primeira leitura: Jonas 1, 1 – 2, 1.11

A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas, filho de Amitai, nestes termos: 2«Levanta-te, vai a Nínive, a grande cidade, e anuncia-lhe que a sua maldade subiu até à minha presença.» 3Jonas pôs-se a caminho, mas na direcção de Társis, fugindo da presença do Senhor. Desceu a Jafa, onde encontrou um navio que partia para Társis; pagou a sua passagem e embarcou nele para ir com os outros passageiros a Társis, longe da presença do Senhor.4Porém, o Senhor fez vir sobre o mar um vento impetuoso, e levantou no mar uma tão grande tempestade que a embarcação ameaçava despedaçar-se. 5Cheios de medo, os marinheiros puseram-se a invocar cada um o seu deus e alijaram ao mar toda a carga do navio para, assim, o aliviar. Entretanto Jonas tinha descido ao porão do navio e, deitando-se ali, dormia profundamente. 6O capitão do navio foi ter com ele e disse-lhe: «Dormes? Que fazes aqui? Levanta-te, invoca o teu Deus, a ver se porventura se lembra de nós e nos livra da morte.» 7Em seguida disseram uns para os outros: «Vinde e deitemos sortes, para sabermos quem é a causa deste mal.» Lançaram sortes, e a sorte caiu sobre Jonas. 8Disseram-lhe então: «Diz-nos porque nos aconteceu este mal. Qual é a tua profissão? Donde vens? Qual a tua terra e a que povo pertences?» 9Ele respondeu-lhes: «Sou hebreu e adoro o Senhor, Deus do céu, que fez os mares e a terra.» 10Então, aqueles homens ficaram possuídos de grande medo, e disseram-lhe: «Porque fizeste isto?» Com efeito, compreenderam, ao ouvir a confissão de Jonas, que ele fugia do Senhor. 11Disseram-lhe: «Que te havemos de fazer para que o mar se nos acalme?» De facto, o mar estava cada vez mais embravecido. 12Ele respondeu-lhes: «Pegai em mim e lançai-me ao mar, e o mar se acalmará, porque por minha causa é que vos sobreveio esta grande tempestade.» 13Os homens remavam para ver se conseguiam ganhar a terra, mas em vão, porque o mar cada vez se embravecia mais contra eles. 14Então clamaram ao Senhor, dizendo: «Senhor, não nos faças perecer por causa da vida deste homem, nem nos tornes responsáveis do sangue inocente, porque Tu, ó Senhor, fizeste como foi do teu agrado.» 15Depois pegaram em Jonas e lançaram-no ao mar; e a fúria do mar acalmou-se. 16Então, estes homens temeram o Senhor; ofereceram um sacrifício ao Senhor e fizeram-lhe votos. 1O Senhor fez com que ali aparecesse um grande peixe para engolir Jonas; e Jonas esteve três dias e três noites no ventre do peixe. 11Então, o Senhor ordenou ao peixe e este vomitou Jonas em terra firme.

Evangelho: Lucas 10, 25-37

Naquele tempo, 25Levantou-se um doutor da Lei e perguntou-lhe, para o experimentar: «Mestre, que hei-de fazer para possuir a vida eterna?» 26Disse-lhe Jesus: «Que está escrito na Lei? Como lês?» 27O outro respondeu: «Amarás ao Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.» 28Disse-lhe Jesus: «Respondeste bem; faz isso e viverás.» 29Mas ele, querendo justificar a pergunta feita, disse a Jesus: «E quem é o meu próximo?» 30Tomando a palavra, Jesus respondeu: «Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos dos salteadores que, depois de o despojarem e encherem de pancadas, o abandonaram, deixando-o meio morto. 31Por coincidência, descia por aquele caminho um sacerdote que, ao vê-lo, passou ao largo. 32Do mesmo modo, também um levita passou por aquele lugar e, ao vê-lo, passou adiante. 33Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, encheu-se de compaixão. 34Aproximou-se, ligou-lhe as feridas, deitando nelas azeite e vinho, colocou-o sobre a sua própria montada, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. 35No dia seguinte, tirando dois denários, deu-os ao estalajadeiro, dizendo: ‘Trata bem dele e, o que gastares a mais, pagar-to-ei quando voltar.’ 36Qual destes três te parece ter sido o próximo daquele homem que caiu nas mãos dos salteadores?» 37Respondeu: «O que usou de misericórdia para com ele.» Jesus retorquiu: «Vai e faz tu também o mesmo.»

REFLEXÃO

As leituras de hoje estão cheias de movimentos que nos envolvem. Jonas foge para não ir a Nínive, como Deus lhe tinha ordenado. Mas, fugindo aos ninivitas, foge de Deus. Quando vezes também eu fujo à missão que Deus me confia, alegando determinadas motivações e as dificuldades do mundo de hoje, tais como a indiferença da juventude, o desmesurado poder dos mass media, a secularização, o fenómeno da globalização e tantas outras questões bem afastadas da lógica de Jesus. Mas fugindo à missão, afasto-me de Deus.
No evangelho, o sacerdote e o levita também fogem do homem caído à beira do caminho. E não encontraram a Deus. O samaritano, pelo contrário, aproxima-se do ferido e abandonado, cuida dele e torna-se disponível. E encontra a Deus, porque «sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim mesmo o fizestes» (Mt 25, 40).
Visto de outro ponto de vista, aquele samaritano, que usa de misericórdia para com o homem caído à beira da estrada, é Deus que se faz próximo do homem, numa dinâmica de amor e de misericórdia. Deus é o Bom Pastor, que procura a ovelha perdida para a reconduzir ao redil, é o Pai que corre ao encontro do filho perdido que regressa, é o Samaritano que se inclina sobre o homem caído, é Jesus que morre na cruz por nosso amor. Deus é assim, e não quer uma religião que nos afaste dos outros, na tentativa de nos protegermos de certos contágios, de uma religião em que o primado não pertença à caridade.
O convite de Jesus - «Vai e faz tu também o mesmo» - é dirigido a cada um de nós. Seria uma boa tradução para o «Ite missa est», pronunciado no fim de cada eucaristia, memorial da morte e ressurreição do Senhor, memorial do seu amor sem reservas nem limites: «Vai e faz tu também o mesmo»; dá-te, entrega-te por amor ao serviço de Deus e ao serviço dos homens, particularmente dos “caídos” à beira dos caminhos da vida, sê uma eucaristia permanente para glória e alegria de Deus, para bem e salvação da humanidade.
Jonas, lançado ao mar e engolido pelo peixe, é reconduzido à praia. Mas, entre um e outro acontecimento, dirige a Deus uma oração que não vem no texto, mas reencontramos no salmo responsorial: «Na minha aflição invoquei o Senhor e Ele respondeu-me. Da morada dos mortos clamei por socorro e ouviste a minha voz» (Jn 2, 3). É um elemento muito importante, porque, sem oração, não é possível abrir-se à graça, passar do egoísmo preocupado consigo mesmo, com a própria vida, com a própria reputação, para o amor que se faz próximo de quem precisa, a exemplo de Jesus, o Bom Samaritano da humanidade.


* 3ª FEIRA - Anos Ímpares

Primeira leitura: Jonas 3, 1-10

A palavra do Senhor foi dirigida pela segunda vez a Jonas, nestes termos: 2«Levanta-te e vai a Nínive, à grande cidade e apregoa nela o que Eu te ordenar.» 3Jonas levantou-se e foi a Nínive, segundo a ordem do Senhor. Nínive era uma cidade imensamente grande, e eram precisos três dias para a percorrer. 4Jonas entrou na cidade e andou um dia inteiro a apregoar: «Dentro de quarenta dias Nínive será destruída.» 5Os habitantes de Nínive acreditaram em Deus, ordenaram um jejum e vestiram-se de saco, do maior ao menor. 6A notícia chegou ao conhecimento do rei de Nínive; ele levantou-se do seu trono, tirou o seu manto, cobriu-se de saco e sentou-se sobre a cinza. 7Em seguida, foi publicado na cidade, por ordem do rei e dos príncipes, este decreto: «Os homens e os animais, os bois e as ovelhas não comam nada, não sejam levados a pastar nem bebam água. 8Os homens e animais cubram-se de roupas grosseiras, e clamem a Deus com força; converta-se cada um do seu mau caminho e da violência que há nas suas mãos. 9Quem sabe se Deus não se arrependerá e acalmará o ardor da sua ira, de modo que não pereçamos?» 10Deus viu as suas obras, como se convertiam do seu mau caminho, e, arrependendo-se do mal que tinha resolvido fazer-lhes, não lho fez.

Evangelho: Lucas 10, 38-42

Naquele tempo, 38Continuando o seu caminho, Jesus entrou numa aldeia. E uma mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39Tinha ela uma irmã, chamada Maria, a qual, sentada aos pés do Senhor, escutava a sua palavra. 40Marta, porém, andava atarefada com muitos serviços; e, aproximando-se, disse: «Senhor, não te preocupa que a minha irmã me deixe sozinha a servir? Diz-lhe, pois, que me venha ajudar.» 41O Senhor respondeu-lhe: «Marta, Marta, andas inquieta e perturbada com muitas coisas; 42mas uma só é necessária. Maria escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.»

REFLEXÃO

O encontro com Deus e com a sua Palavra permite-nos compreender a sua misericórdia e a sua compaixão. Jonas não obedeceu a Deus, não acolheu a sua vontade de misericórdia e de salvação em relação a Nínive porque, em vez de frequentar a Deus e escutar a sua Palavra, se deixou envolver pelo ambiente em que vivia e pelas opiniões dominantes no mesmo. Um contacto superficial com a Palavra de Deus permite-nos reestruturá-la à medida dos nossos gostos e dos nossos critérios. Mas um contacto profundo com a Palavra de Deus desestrutura-nos, faz-nos entrar nos critérios de Deus. Por isso, é necessário fazer-nos discípulos, desarmados e devotos, dispostos a render-nos à Palavra e não a domesticá-la.
Como Jonas se esforça por encontrar as suas próprias soluções, também nós queremos procurar as nossas, quando não recebemos Jesus como hóspede e Senhor da nossa vida. Ao escutarmos o evangelho de hoje, provavelmente sentimos uma certa pena por não sermos como Maria, sentados aos pés de Jesus, dando-Lhe toda a nossa atenção, escutando a sua palavra. Mas certamente já nos demos conta de que, quando temos ocasião para isso, por exemplo durante um retiro, preferimos assumir a atitude de Marta, ou até arranjamos mil pretextos para nos distrairmos … Por outro lado, quando andamos agitados como Marta, desejamos ocasiões para assumirmos o papel de Maria. Isso quer dizer que procuramos satisfazer o nosso egoísmo, e que o papel de Maria, mais do que para escutar Jesus, só nos agrada pelo sossego que proporciona...
Quem quer ser fiel ao Senhor aproveita todos os momentos para estar com Ele, escutando a sua Palavra, mesmo no meio de muito trabalho. Há pessoas muito activas, permanentemente a correr de um trabalho para outro, mas interiormente em paz, em secreta contemplação, porque têm o coração junto do Senhor. Pensemos no Papa João Paulo II… Por isso, fazem o que têm a fazer com total tranquilidade, servindo serenamente a Deus e ao próximo.


* 4ª FEIRA - Anos Ímpares

Primeira leitura: Jonas 4, 1-11

Jonas ficou profundamente aborrecido com isto e, muito irritado, 2dirigiu ao Senhor esta oração: «Ah! Senhor! Porventura não era isto que eu dizia quando ainda estava na minha terra? Por isso é que, precavendo-me, quis fugir para Társis, porque sabia que és um Deus misericordioso e clemente, paciente, cheio de bondade e pronto a renunciar aos castigos. 3Agora, Senhor, peço-te que me mates, porque é melhor para mim a morte que a vida.» 4O Senhor respondeu-lhe: «Julgas que tens razão para te afligires assim?» 5Jonas saiu da cidade e sentou-se a oriente da mesma. Ali fez para si uma cabana e sentou-se à sua sombra, para ver o que ia acontecer na cidade. 6O Senhor Deus fez crescer um rícino, que se levantou acima de Jonas, para fazer sombra à sua cabeça e o proteger do Sol. Jonas alegrou-se grandemente por aquele rícino. 7Ao outro dia, porém, ao romper da manhã, enviou Deus um verme que roeu as raízes do rícino, e este secou. 8Quando o Sol se levantou, Deus fez soprar um vento quente do oriente, e o Sol dardejou os seus raios sobre a cabeça de Jonas, de forma que ele, desfalecido, desejou a morte e disse: «Melhor é para mim morrer do que viver.» 9Então Deus disse a Jonas: «Julgas tu que tens razão para te indignares por causa deste rícino?» Jonas respondeu: «Sim, tenho razão para me indignar até desejar a morte.» 10Disse-lhe Deus: «Sentes pena de um rícino que não te custou trabalho algum para o fazeres crescer, que nasceu numa noite, e numa noite pereceu! 11E não hei-de Eu compadecer-me da grande cidade de Nínive, onde há mais de cento e vinte mil pessoas, que não sabem distinguir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e um grande número de animais?»

Evangelho: Lucas 11, 1-4

Naquele tempo, 1Sucedeu que Jesus estava algures a orar. Quando acabou, disse-lhe um dos seus discípulos: «Senhor, ensina-nos a orar, como João também ensinou os seus discípulos.» 2Disse-lhes Ele: «Quando orardes, dizei:Pai, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; 3dá-nos o nosso pão de cada dia; 4perdoa os nossos pecados, pois também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende; e não nos deixes cair em tentação.»

REFLEXÃO

Compreendemos certamente a atitude de Jonas, nós que, tantas vezes, tentamos resistir à lógica de Deus, e aplicar os nossos próprios critérios na relação com os outros e em diversas situações. Tanto trabalho por causa d´Ele, por causa do Reino, para Lhe ser fiéis, para torná-lo conhecido e amado… No fim, tudo «acaba em glória», também para aqueles que nada fazem por Ele ou até O ofendem! Muitos vivem como lhes apetece, como se Deus não existisse, e Ele, ao mínimo gesto de arrependimento, perdoa a todos! Mas há muitos elementos que nos escapam. Deus, por exemplo, quer ser tratado como Pai, quer que Lhe peçamos perdão e ajuda nos momentos de provação, quer que não nos cansemos de lembrar a todos que é misericordioso e sempre disposto a perdoar. No fundo, compreende a nossa fraqueza e quer ser mais amado do que temido por nós.
A atitude de Jonas é exactamente o contrário daquilo que pedimos na primeira invocação do “Pai nosso”: «Pai, santificado seja o teu nome» (v. 2). Jonas opõe-se a este pedido e não quer que o nome de Deus seja manifestado. O profeta conhece esse nome, mas não quer que outros o conheçam. «Eu sabia que és um Deus misericordioso e clemente, paciente, cheio de bondade e pronto a renunciar aos castigos», diz o profeta (v. 2). Jonas conhecia, da revelação bíblica, o «nome» de Deus, que devia ser manifestado a todos. Mas isso opunha-se aos gostos e à vontade de viver do profeta. Foi enviado a Nínive para anunciar: «Dentro de quarenta dias Nínive será destruída» (v. 4). Agora teima em que a profecia seja realizada. Caso contrário, perde a sua reputação de profeta! Mas a ameaça de Deus era condicionada: «Se não vos converterdes, perecereis». Os habitantes de Nínive converteram-se e Deus está satisfeito por poder manifestar «o seu nome», isto é, o seu amor, a sua ternura, a sua misericórdia. Dá uma lição a Jonas para que compreenda as motivações da compaixão para com aqueles que criou, e a lógica de perdoar, de chamar à vida e não à morte. Quantas vezes, também nós, não aceitamos que Deus se manifeste como mansidão e paciência! Quantas vezes gostaríamos que Deus interviesse com violência, sem esperar que os homens se convertam! Quanto gostaríamos que os criminosos fossem eliminados da sociedade! As nossas reacções espontâneas, muitas vezes, estão realmente em contradição com o primeiro pedido do Pai nosso. Aprendamos a tolerância e a paciência de Deus. Sem elas, nem nós mesmos poderíamos ter esperança de salvação.


* 5ª FEIRA - Anos Ímpares

Primeira leitura: Malaquias 3, 13-20a

Tendes pronunciado palavras ofensivas contra mim - diz o Senhor. E, contudo, perguntais: ‘Que temos nós dito contra ti?’ 14E ainda vos interrogais: ‘De que vale servir a Deus? Que lucrámos em ter observado os seus preceitos e em ter andado de luto diante do Senhor do universo? 15E agora temos de chamar ditosos aos arrogantes, pois eles fazem o mal e prosperam; põem Deus à prova e ficam impunes’. 16Assim falavam uns com os outros, aqueles que temem o Senhor. Mas o Senhor ouviu atento. Na sua presença foi escrito um livro de memórias: ‘Dos que temem o Senhor e prezam o seu nome.’ 17Eles serão meus, no dia em que Eu agir - diz o Senhor do universo. Terei compaixão deles, como um pai se compadece do filho que o serve. 18Então vereis de novo a diferença entre o justo e o ímpio, entre quem serve a Deus e quem não o serve. 19Pois, eis que vem um dia abrasador como uma fornalha. Todos os soberbos e todos os que cometem a iniquidade serão como a palha; este dia que vai chegar queimá-los-á - diz o Senhor do universo - e nada ficará deles: nem raiz, nem ramos. 20Mas, para vós que respeitais o meu nome, brilhará o sol de justiça, trazendo a cura nos seus raios.

Evangelho: Lucas 11, 5-13

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 5«Se algum de vós tiver um amigo e for ter com ele a meio da noite e lhe disser: ‘Amigo, empresta-me três pães, 6pois um amigo meu chegou agora de viagem e não tenho nada para lhe oferecer’, 7e se ele lhe responder lá de dentro: ‘Não me incomodes, a porta está fechada, eu e os meus filhos estamos deitados; não posso levantar-me para tos dar’. 8Eu vos digo: embora não se levante para lhos dar por ser seu amigo, ao menos, levantar-se-á, devido à impertinência dele, e dar-lhe-á tudo quanto precisar.» 9«Digo-vos, pois: Pedi e ser-vos-á dado; procurai e achareis; batei e abrir-se-vos-á; 10porque todo aquele que pede, recebe; quem procura, encontra, e ao que bate, abrir-se-á. 11Qual o pai de entre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma serpente? 12Ou, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião? 13Pois se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que lho pedem!»

REFLEXÃO

As leituras de hoje iluminam as dúvidas daqueles que, como os antigos hebreus, continuam a interrogar-se: «‘De que vale servir a Deus? Que lucrámos em ter observado os seus preceitos e em ter andado de luto diante do Senhor do universo? 15E agora temos de chamar ditosos aos arrogantes, pois eles fazem o mal e prosperam; põem Deus à prova e ficam impunes’» (vv. 14s.). Que ganhamos em fazer o bem e em rezar? Afinal, parece que nada muda, que tudo continua como antes. Ainda por cima sentimo-nos olhados com ironia por tantos que acham essas actividades pura perda de tempo. O Novo Testamento, mais do que o Antigo, traz-nos respostas a essas dúvidas. Os cristãos sabem que Deus é Pai. Ora um pai, como ensina Jesus no evangelho de hoje, dá bom alimento ao seu filho: «Qual o pai de entre vós que, se o filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma serpente? 12Ou, se lhe pedir um ovo, lhe dará um escorpião? Pois se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que lho pedem!» (vv. 11-13). Há, pois, que aproximar-se do nosso Pai do céu com a simplicidade e a insistência das crianças. E tudo alcançaremos d´Ele! A última palavra de Jesus, «quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que lho pedem!», introduz no círculo fechado das nossas preocupações horizontais a linha recta que nos faz erguer o olhar, dá sentido, sustenta a coragem para continuar, ilumina com a própria beleza de Deus a fidelidade de cada dia. Com o Espírito Santo tudo é transformado e tornado possível. É possível convencer-nos de que é bom fazer o bem. É possível ultrapassar o sentido de inutilidade, sabendo que nada se perde. É possível sentir o gosto de invocar a Deus como Pai. É possível enfrentar as provações da vida humana, e da própria vida cristã. É possível não se fixar em resultados imediatos, na aprovação dos outros, mas confiar em Deus que tudo orienta para o bem. É possível orar sem se cansar, porque é assim que o Espírito vem a nós, trazendo o Reino e conduzindo-nos ao Reino.
Peçamos, pois a Jesus que nos obtenha do Pai o dom do Espírito Santo, e agradeçamos-Lhe por nos ter aberto um horizonte tão luminoso, pois nos ter dado a possibilidade de ir a Deus como a um Pai que nos ama e nos quer dar tudo.


* 6ª FEIRA - Anos Ímpares

Primeira leitura: Joel 1, 13-15; 2, 1-2

Cingi-vos, sacerdotes, e chorai. Lamentai-vos, ministros do altar. Vinde, passai a noite vestidos de saco, ministros do meu Deus. Porque, da casa do vosso Deus, desapareceram as ofertas e libações. 14Ordenai um jejum, proclamai uma reunião sagrada. Reuni, anciãos, todos os habitantes do país na casa do Senhor, vosso Deus, e clamai ao Senhor. 15Ai que Dia! Pois o Dia do Senhor está próximo. E virá como a devastação da parte do devastador. 1Tocai a trombeta em Sião, elevai um clamor sobre o meu monte santo! Estremeçam todos os habitantes da terra porque se aproxima o Dia do Senhor! Ele está próximo! 2Dia de trevas e escuridão, dia de nuvens e sombras. Como a luz da aurora sobre os montes, assim se difunde um povo numeroso e forte, como nunca houve semelhante desde o princípio nem depois haverá outro, no decorrer dos séculos!

Evangelho: Lucas 11, 15-26

Naquele tempo, Jesus expulsou um demónio, 15mas alguns dentre eles disseram: «É por Belzebu, chefe dos demónios, que Ele expulsa os demónios.» 16Outros, para o experimentarem, reclamavam um sinal do Céu. 17Mas Jesus, que conhecia os seus pensamentos, disse-lhes:«Todo o reino, dividido contra si mesmo, será devastado e cairá casa sobre casa. 18Se Satanás também está dividido contra si mesmo, como há-de manter-se o seu reino? Pois vós dizeis que é por Belzebu que Eu expulso os demónios. 19Se é por Belzebu que Eu expulso os demónios, por quem os expulsam os vossos discípulos? Por isso, eles mesmos serão os vossos juízes. 20Mas se Eu expulso os demónios pela mão de Deus, então o Reino de Deus já chegou até vós. 21Quando um homem forte e bem armado guarda a sua casa, os seus bens estão em segurança; 22mas se aparece um mais forte e o vence, tira-lhe as armas em que confiava e distribui os seus despojos. 23Quem não está comigo está contra mim, e quem não junta comigo, dispersa.» 24«Quando um espírito maligno sai de um homem, vagueia por lugares áridos em busca de repouso; e, não o encontrando, diz: ‘Vou voltar para minha casa, de onde saí.’ 25Ao chegar, encontra-a varrida e arrumada. 26Vai, então, e toma consigo outros sete espíritos piores do que ele; e, entrando, instalam-se ali. E o estado final daquele homem torna-se pior do que o primeiro.»

REFLEXÃO

O evangelho de hoje leva-nos a meditar sobre o mistério da luta de Jesus contra o Demónio. Os Padres do Deserto davam grande importância a essa luta, que se prolonga na vida dos cristãos. Apesar do cepticismo difuso na nossa sociedade, que se considera evoluída, o Demónio continua presente e actuante no mundo, muito mais do que se possa pensar. A sua força, assenta na estratégia de se fazer esquecer e em aparecer sob formas mais sedutoras e tranquilizantes. Conhecendo bem as suas presas, lança os seus ataques a partir das realidades a que são mais sensíveis. Ceder é abrir brechas a partir das quais se tornam mais fáceis os seus assaltos. Por isso, há que combatê-lo corajosamente, usando as armas da oração, da memória perene da Palavra do Senhor e das suas Promessas, da penitência, com uma grande humildade, que leva a pôr toda a confiança na Graça e a permanecer vigilantes para não sermos surpreendidos. Somos chamados a combater um adversário mais poderoso do que nós, mas com uma arma de que só nós podemos dispor, o Espírito Santo. Com o Espírito do Senhor seremos sempre mais fortes do que Belzebu, que, diante de nós, não passará de “um pobre diabo”, acabando por ser vencido.
Pelo seu Espírito, Jesus Cristo une-nos ao seu combate, para cooperarmos com sucesso na luta contra o mal quer serpeia pelo mundo, e participarmos na vitória, por mais demorada que seja.
A presença do Demónio leva-nos a meditar sobre a dramaticidade da existência cristã, sobre o poder do mal, sobre a vitória de Cristo, sobre a necessidade de estarmos do Seu lado e cerrarmos fileiras, pois o combate espiritual é parte essencial do itinerário do discípulo de Cristo.
Que Cristo se torne o dono da nossa casa, e nós deixemos cair os nossos pensamentos, as nossas preferências, os nossos caprichos, para acolhermos sempre os seus desejos.


* SÁBADO - Anos Ímpares

Primeira leitura: Joel 4, 12-21

Nações, levantai-vos e vinde ao Vale de Josafat; aí me sentarei para julgar as nações vindas de toda a parte. 13Metei a foice porque a messe está madura, vinde pisar porque o lagar está cheio, as cubas transbordam porque a malícia deles é muito grande. 14Multidões e multidões, no Vale do Julgamento, porque o Dia do Senhor está perto, no Vale do Julgamento. 15O Sol e a Lua obscurecem-se, as estrelas perdem o seu brilho.» 16«O Senhor rugirá de Sião! Trovejará de Jerusalém! Então os céus e a terra serão abalados. Mas para o seu povo, o Senhor será um refúgio, uma fortaleza para os filhos de Israel! 17Sabereis então que Eu sou o Senhor, vosso Deus, que habito em Sião, minha montanha santa. Jerusalém será um lugar sagrado, onde os estrangeiros não tornarão mais a passar. 18Acontecerá naquele dia que os montes destilarão vinho novo, o leite manará das colinas, as águas jorrarão em todas as ribeiras de Judá. Uma fonte sairá do templo do Senhor para irrigar o Vale das Acácias. 19O Egipto será a desolação e Edom será um deserto desolado pois trataram com crueldade os filhos de Judá e derramaram, no seu país, o sangue inocente. 20Mas Judá será habitada para sempre e Jerusalém, de geração em geração. 21Eu vingarei o seu sangue, não os deixarei impunes. E o Senhor habitará em Sião.»

Evangelho: Lucas 11, 27-28

Naquele tempo, 27Enquanto Jesus falava, uma mulher, levantando a voz do meio da multidão, disse: «Felizes as entranhas que te trouxeram e os seios que te amamentaram!» 28Ele, porém, retorquiu: «Felizes, antes, os que escutam a Palavra de Deus e a põem em prática.»

REFLEXÃO

«Felizes as entranhas que te trouxeram e os seios que te amamentaram!» (v. 27b ), gritou uma mulher, do meio da multidão, para Jesus. «Ele, porém, retorquiu: «Felizes, antes, os que escutam a Palavra de Deus e a põem em prática». (v. 28). À primeira vista, Jesus parece recusar o elogio de sua Mãe. Na verdade, proclama a bem-aventurança que Lhe vem da escuta da Palavra e da sua vida de fé. E isto é muito mais importante que os laços de sangue que Os unem. Para Maria, foi uma enorme alegria ser Mãe do Salvador. Mas a condição de serva, que sabe escutar e guardar a Palavra, provoca n´Ela uma felicidade maior. Para acolher os projectos de Deus, Maria até renunciou duas vezes à maternidade. A primeira, quando do anúncio do Anjo; a segunda, no Calvário, quando aceitou o sacrifício do Filho. Ao pedir-Lhe estes sacrifícios, Deus deu-lhe muito mais: uniu-a a Si, revelou-lhe os seus projectos e fez d´Ela colaboradora desses mesmos projectos, num grau muitíssimo elevado.
Em todos os chamamentos de Deus há diversos aspectos. Mas é importante apegar-se ao mais autêntico. O mesmo acontece nas diversas situações, em que podemos descobrir vantagens humanas e vantagens espirituais. Corremos o risco de nos apegarmos aos aspectos humanos e de ficarmos em crise quando eles nos faltam. Se, pelo contrário, nos fixarmos no aspecto mais profundo, estamos defendidos de certas crises, porque, se for necessário fazer alguns sacrifícios, sabemos que não se altera a nossa relação com Deus, a nossa vida de intimidade com Ele. Há pessoas que justamente se sentem felizes por viver perto de um determinado santuário, neste ou naquela situação privilegiada, a exercer este ou aquele cargo na Igreja. Mas, mais importante que isso, é a relação que mantêm com Deus. Se assim pensarem e viverem, aceitarão tranquilamente as mudanças que as circunstâncias ou a obediência lhes impuserem. Saberão apegar-se ao essencial, a sua relação com Deus, e não ao secundário, o lugar onde vivem, a situação em que vivem o cargo ou a missão que exercem. A bem-aventurança das “entranhas e do seio” é, sem dúvida grande; mas a “bem-aventurança da fé” é ainda maior: «Bem-aventurados, antes, os que escutam a palavra de Deus e a põem em prática» (Lc 11, 28). É essa bem-aventurança mais preciosa que somos chamados a descobrir em Maria: «Bem-aventurada aquela que acreditou» (Lc 1, 45) e meditou a fundo no mistério do seu filho, Jesus. «Maria... guardava todas estas coisas, meditando-as no seu coração» (Lc 2, 19; 2, 51).

Ricardo Igreja

Sem comentários:

Enviar um comentário